Mulher, ouça…

(Palavra ministrada no Encontro de Mulheres em Campinas/SP em Junho/2013)

Israel é povo de Deus, época: dos juízes; sacerdote: Eli; local de adoração desse povo: tabernáculo em Siló. Época de aparente esterilidade, de silêncio; de silêncio por omissão, por desistência, por cansaço, por desobediência. Icabode, neto de Eli estava quase nascendo… “foi-se a glória de Deus”, porém, Deus tem um propósito a cumprir…Deus sempre intervém na história quando quer e como quer…o Espírito Santo está prestes a chamar alguém. Alguém através de quem Deus muda a história de um povo.
Samuel é esse homem. Foi prometido ao Senhor e levado para viver com Eli depois de desmamado. Ele não era da linhagem sacerdotal ou profética, mas ele teve um chamado específico para ser sacerdote, profeta e juiz. Cresce num ambiente aprendendo mais a ouvir do que a falar. Ele estava longe de casa, dos pais. Era tempo de aprender a ouvir.
I Samuel 3: 1 a 10
Não há entre nós dúvidas de que o Espírito Santo fala. As nossas lutas estão aqui dentro de nós e elas passam pelo OUVIR e pelo DISCERNIR e pelo ASSUMIR.
No texto há dois homens: Um que ouve e um que não ouve; um que discerne a voz e outro que ainda não discerne; um que ensina e um que aprende.
Samuel ouvia, mas não discernia; OUVIR fala de obediência. O menino Samuel aprendeu a ouvir muito cedo, ele entendeu o que era ouvir/receber ordens e obedecer, mas ele ainda sabia discernir. Se eu não conheço, não reconheço.
Por outro lado, Eli discernia, mas não ouvia mais. DISCERNIR fala de conhecimento/intimidade. Eli conhecia a Deus, ele participava da intimidade, ele era o sacerdote, ele tinha acesso aos lugares santos de adoração, ele conhecia todos os elementos que existia lá dentro (mesa; candelabro, pães…) e sabia quais eram as suas funções, mas ele já não ouvia, ele já não obedecia.
Se você quer mesmo saber o que o Espírito Santo fala sobre a sua vida, casa e ministério, então você precisa do OUVIR, do DISCERNIR e ter disposição e condições para ASSUMIR.
Requisitos necessários para que eu aprenda a ouvir, discernir e assumir:
1 Estar no lugar… Há um lugar… Há um lugar que eu preciso conhecer, estar, viver. Esse é um lugar que, a princípio, eu assumo por obediência. É um lugar onde o Espírito me chama. Eu posso não conhecer muito da intimidade de Deus, mas por obediência e fé eu permaneço na Sua presença. “Pai, traga minha vida para junto ao teu coração. Mesmo não entendendo muito bem como é estar aqui, mas eu estou por obediência”.
“Uma forma de expressarmos a crise espiritual de nosso tempo é dizer que a maioria de nós tem seu lugar, mas não pode ser encontrado ali” Henri Nouwen

2 Permanecer na posição. A posição que Samuel estava era deitado: Uma posição física que fala de busca pela intimidade, disponibilidade, de entrega, de espera, de recepção. Estou aqui deitada sem defesa, estou vulnerável. Posição de alguém que está morto, de alguém que sabe que é dependente. Como é difícil essa posição! Achamos que sabemos o que é melhor pra nós. E, além do mais temos sempre pressa.
Nessa posição também fica-se descalça. Possivelmente Samuel estava descalço. Várias vezes vemos essa atitude de estar descalço. Como Moisés, como Josué, como Jesus pediu aos discípulos para tirar os sapatos, para assumir uma posição de reverente escuta. Atitude de espírito, de alma.
3 O silêncio seria a atitude que intermedia o FALAR e o OUVIR. Silenciar: Que desafio! Não sabemos silenciar para ouvir. Não sabemos ouvir o outro, não sabemos ouvir a nós mesmas, não sabemos ouvir a voz de Deus dentro de nós: a voz do Espírito Santo. Não nos atentamos ao que o outro diz, não procuramos compreender o outro.
E a nós mesma, nós ouvimos? Refletimos muito pouco sobre nossas próprias situações e vidas. Não temos coragem de ouvir a voz da nossa própria alma.
Se eu não ouço o outro, se não ouço minha própria alma, consigo ouvir a voz do ES? O Espírito fala ao meu espírito. Quando você silencia para ouvir o Espírito Santo, Ele vai falar sobre o desejo, a vontade e o propósito d’Ele. Eu preciso de silêncio para ouvir. O silêncio pode até me causar um certo desconforto, uma certa ansiedade, mas é necessário que eu aprenda a praticá-lo.
4 Estar acordada: como eu estou? Dormindo? Sonolenta? Se estou no meu lugar de conforto, no meu lugar seguro, escondida atrás das minhas proteções, como posso ouvir? Se vivo alheia a tudo e a todos, sonhando colorido, como posso conhecer para discernir? Se ando com medo dos riscos, das exposições, no meu egoísmo, como vou assumir?
5 Entender a hora de levantar-se, de admitir que não dou conta sozinha e então procuro alguém que possa me ajudar e faço perguntas; tenho coragem pra dizer que tenho dúvidas. As dúvidas nos embaraçam, confundem, tiram do foco. Samuel estava naquele momento “sob a direção de Eli…”. E você? Quem pastoreia a sua vida, com quem você compartilha a sua vida?
Esses são requisitos essenciais, mas e aí?
Existe uma luta dentro e fora de nós, constante, para que não haja essa percepção, esse discernimento, esse entendimento, essa obediência, esse assumir.
Quais são esses inimigos? O que me impede de estar no lugar, de estar na posição? De silenciar? O que tem me causado sono? O que tem me impedido de levantar e buscar ajuda?
Fortalezas na mente? Dúvidas? obras da carne? o mundo com suas inúmeras vozes barulhentas? o inimigo? Inimigos reais, mas temos armas para lutarmos contra eles, e elas estão à nossa disposição.
Quando O Espírito de Deus chamou Samuel, ele foi até Eli e então a 1ª resposta foi:
“Fala, Senhor, porque o teu servo está ouvindo” resposta de alguém obediente – Samuel OUVIA! Mas isso não era suficiente!
Mas houve uma 2ª resposta: não foi uma resposta verbal, foi agora uma resposta fruto de re-conhecimento, de discernimento. Foi atitude, decisão, ação, compromisso. Há um movimento novo na vida de Samuel: “Samuel ficou deitado até de manhã e então abriu as portas da casa do Senhor.” Essa foi a primeira arma de Samuel.
O que são portas? Portas são locais de passagem – entrada e saída, são locais de comunicação. Um novo e antes desconhecido canal de comunicação fora agora aberto entre Samuel e o seu Deus, entre Samuel e a voz do Espírito Santo. Aquele que só ouvia, por fim discerne!
Quais são as suas portas? A quem elas se abrem? Quem tem livre acesso às suas portas?
Samuel abriu as portas da casa do Senhor. Nós somos “Casa do Senhor”. Estou aberta ao novo da parte do Espírito de Deus para minha vida, casa e ministério? Só obedeço ou também busco conhecer ao meu Deus na Sua intimidade? Assumi as implicações do compromisso? Estou agora aberta e livre à contínua visitação e transformação do Espírito Santo?
Não basta ouvir e discernir, é necessário haver novo posicionamento, nova forma de lidar comigo mesma, com os outros, com esse que fala comigo que é o Espírito Santo.
E à medida que Samuel entrava em contato com essa Palavra, com a voz do Espírito de Deus, ele prosseguia em conhecimento, em discernimento e em compreensão a respeito do caminho a assumir e a trilhar.
A visão se alarga e você é capaz de cumprir sua vocação, seu chamado, sua missão. Ele te chama pelo nome. A Lâmpada de Deus ainda não tinha se apagado. A lâmpada do Senhor está acesa na nossa vida.
Segunda arma: Deixe-se moldar por Ele: Ele trabalha por processos na maioria das vezes. O que é sem forma e vazio, recebe a palavra “Haja Luz”, “Haja vida” e o processo continua. Naquele lugar que agora reina a luz, vejo que há uma sujeira que precisa ser limpa, há um vazio que precisa ser preenchido, há uma carência que precisa ser suprida; há uma dor que precisa ser investigada. Ele nos ensina a lidar com as resistências, com os hábitos, com os comportamentos. Vamos nos submeter ao tratamento de Deus como um arame que se deixa moldar. Só há uma mão que pode te moldar, não se submeta a outras mãos que querem te moldar para te oprimir ou subjugar. E você que por vezes quer ser uma escultora, não pense que é possível lutar com Deus e prevalecer. Submeta-se a Ele.
Terceira arma: Deus é um Deus que continua intervindo. Ele tem uma aliança conosco. Viva pela Palavra profética, declare-a na sua vida, na sua alma, leve-a aos outros quando for requerido isso de você. A palavra que sai do trono de Deus, aquela que é enviada ao seu espírito, aquela que levanta o que está morto em você e mata o que é daninho, a que alimenta, fortalece e ensina.
O Espírito Santo é uma Pessoa e Ele fala; você é uma mulher salva que talvez ouve, talvez discerne, talvez ouve e discerne. Talvez não consegue assumir o chamado com todas as suas implicações. Você está na presença de um Deus que ama e que te chamou para ser filha. Você tem uma Vocação, um Chamado e uma Missão. Jesus morreu por você, morreu por amor. E agora o Espírito Santo vive em você. É preciso permitir que sua vida seja reestruturada, reorganizada, ressignificada a partir desse novo. Isso significa transformação. Isso significa mudar coisas do lugar. A nossa resistência às mudanças, tem nos impedido de andarmos no novo do Pai. Ele está dentro de nós, e é necessário que haja um movimento dentro. Ele nos aceita com amor. Ele quer que conheçamos a liberdade do Espírito. Ele sopra onde quer.
Que o Espírito de sabedoria, conhecimento e discernimento envolva a nossa vida.
Marisa Duarte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s