As epístolas paulinas

Epístolas Paulinas:

I-            Paulo, o apóstolo aos gentios:

Essas epístolas são parte da Palavra do Deus vivo. O Espírito Santo anuncia verdades eternas através do apóstolo Paulo em suas cartas às igrejas. A missão de Paulo abre um caminho à verdade de Cristo na consciência e no entendimento do mundo gentio.
As epístolas são escritas com toda a liberdade da correspondência epistolar, revelando,por isso, a personalidade do autor, que poderíamos assim resumir:  Tato e presença de espírito; ternura e simpatia; retidão de consciência e integridade; ação de graças e oração; coragem e perseverança.  Pela leitura das epístolas paulinas,não é difícil verificar que todas estas qualidades são marcas de Paulo.  Ele usa uma dureza nas palavras, quando necessário, uma ternura e bondade, falando carinhosamente “como ama que cria seus filhos”.
Paulo revela-se cristocêntrico. Para ele “o viver é Cristo” (Fl. 1:21), e ele “vive pela fé no Filho de Deus” (Gl. 2:20). Sé em I Tessalonicenses a palavra “Senhor” aparece mais de 20 vezes. Em Colocenses ele exalta Jesus como a “imagem do Deus invisível e o primogênito de toda a criação, e por quem todas as coisas subsistem…”E, por fim, Paulo fala da revelação do Filho de Deus nele (Gl. 1:16), quando o “Senhor da glória” (I Co 2:8) lhe falou da “excelente glória” que vem a ser sua morada eterna.

Os principais fatos da vida de Paulo estão narrados em Atos, como o Saulo de Tarso, o perseguidor da igreja que se tornou Paulo, o apóstolo aos gentios. Essa história começa com sua aprovação ao martírio de Estevão(at.8:3 e 7:58) Ele estudou a lei judaica com o grande rabino Gamaliel em Jerusalém (At.22:3); tinha grande zelo pela tradição da lei de seu povo (At.26:5; Gl. 1:13-14).
E, quando viajava para Damasco em perseguição aos crentes ali, teve seu encontro com o Cristo exaltado, e sua vida foi radicalmente transformada (At 9:1 a 31).
Mais tarde ele passou um tempo a sós com Deus, na Arábia (Gl.1:17). Ali ele aprendeu que as boas notícias da salvação pela morte e ressurreição de Jesus tinha que ser proclamado a todos (Gl.2:15-21), percebendo que o evangelho se aplicava a judeus e gentios (Gl.3>28). E, sua missão se concentra nos gentios, o que antes Paulo rejeitava. (At. 9:15; Gl. 1:15-17).
Trabalhou em Antioquia, onde começou sua atividade missionária, juntamente com Barnabé (At. 11:25-26). Três viagens missionárias o levaram pelas províncias romanas da Galácia, Ásia, Acaia e Macedônia; dessas várias localidades ele escreveu suas epístolas, na década de 50 e inicio de 60 dC.

II-            As epístolas de Paulo e as cartas do mundo greco-romano:

No mundo greco-romano as cartas contavam, em média,com cerca de 90 palavras. As missivas literárias como as compostas pelo orador e estadista romano Cícero, ou as Sêneca, o filósofo tinham mais ou menos 200 palavras, sendo que uma folha de papiro media 34 cm X 28 cm, acomodando até 250 palavras.
Todavia, as dimensões médias das epístolas de Paulo eram de 1.300 palavras, variando de 335 palavras como a de Filemonaté 7.101 palavras como a de Romanos. As epístolas tão prolongadas de Paulo inaugura uma novidade literária de sua época.  E, também, as epístolas de Paulo são dirigidas a endereços verdadeiros e não fictícios ou gerais.
Paulo usava o serviço de amanuenses, que eram pessoas que escreviam o que outro ditava ou faziam cópias de documentos (Rm. 16:22 – Tércio)Paulo, muitas vezes, diz escrever de próprio punho apenas a saudação final e sua assinatura, a fim de garantir sua autenticidade. (I Co16:21;  Gl. 6:11; Cl. 4:18; II Ts 3:17)
Pela inexistência de um serviço postal, fazia-se necessário enviar as cartas por meio de viajantes.
Às vezes Paulo recebia mensageiros que trazia informações de problemas das igrejas. Suas epístolas respondiam a essas questões, enviando instruções, conselhos, repreensões e exortações para questões teológicas, éticas, sociais, pessoais e litúrgicas.
As epístolas de Paulo foram escritas num espaço de pouco mais de 10 anos. (50-62 dC)

III-       A Igreja de Antioquia envia Paulo e Barnabé (Atos 13.1-3).

Paulo esteve durante algum tempo participando da igreja em Antioquia da Siria. O capítulo 11.19-30 retrata a importância desta igreja como centro da fé cristã. “Excetuando a própria Jerusalém, nenhuma outra cidade estava tão intimamente ligada aos inícios do cristianismo”. Por volta do ano 27 dC ela tornou-se a capital da Síria, sendo um importante centro comercial e ações militares, Antioquiatornou-se em um influente centro urbano, uma cidade (polis) helenística e a terceira cidade do Império Romano.

Podemos observar cinco aspectos sobre esta igreja e o envio:

1º.) Tinha uma liderança múltipla ou diversidade étnica. (At 13.1). Isso devido ao fato da cidade ter uma população mista, formada de judeus e gentios:Barnabé, descrito com “um levita, natural de Chipre”; Simeão que tinha o sobrenome de Níger, que significa Negro, provavelmente um africano e supostamente ninguém menos que Simão Cireneu, que carregou a cruz para Jesus; Lúcio de Cirene; Manaém e por último, Saulo de Tarso. Estes cinco homens simbolizavam a diversidade étnica e cultural de Antioquia e da própria igreja.

2º.)Quando estavam “servindo ao Senhor, e jejuando” que o Espírito Santo lhes disse: “separai-me agora a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado” (At.13:2).

3º.) A consagração precede o chamado. “E, servindo eles ao Senhor e jejuando disse o Espírito Santo…”. Note que os que foram chamados eram aqueles que estavam servindo ao Senhor e em oração. Missões começa com santidade, consagração.

4º.) A urgência na tarefa. “Separai-me agora”. Observe o termo, “agora”, e não “depois” ou “amanhã”.

5º.) A responsabilidade da Igreja em enviar. Lucas diz “Então jejuando e orando, ou seja, prontos para a obediência, “impondo sobre eles as mãos os despediram” (At 13.4).

Barnabé e Saulo foram enviados pelo Espírito Santo mas também com o consentimento e participação da igreja. Sobre esta parceria do Espírito e a Igreja, Stott afirma:
“Esse equilíbrio é sadio e evita ambos os extremos. O primeiro é a tendência para o individualismo pelo qual uma pessoa alega direção pessoal e direta do Espírito sem nenhuma referência à igreja. O segundo é a tendência para o institucionalismo, pelo qual todas as decisões são tomadas pela igreja sem nenhuma referência ao Espírito”.

IV-           Viagens missionárias de Paulo:

Atos relata três viagens missionárias de Paulo. Todas as viagens começam e terminam em Antioquia.

1ª viagem missionáriaAt 13-14
Anos:  46 a 48 dC
Equipe: Paulo, Barnabé e João Marcos (que volta antes de concluir a viagem)…
Itinerário: 
– Saem de Antioquia da Síria. Viajam de navio até Salamina, na ilha de Chipre (13,4-5).
– Atravessam a ilha, param em Pafos:conflito com um mago (13,6-12).
– Sobem até Antioquia da Pisídia: discurso, conflito (13,13-52).
– Seguem para Icônio na Licaônia: conflito com os judeus (14,1-5).
– Vão para Listra onde continuam anunciando a Boa Notícia (14,6-7).
– Cura de um homem aleijado,conflito c/gentios e judeus (14,8-20).
– Chegam a Derbe e depois retornam, passam por Listra, Icônio e Antioquia da Pisídia, animando os discípulos a permanecerem firmes: “É preciso passar por muitas tribulações…” (14,20-23).
– Atravessam a Pisídia, chegam em Panfília, depois em Perge e Atalia (14,24-25).
– Voltaram para Antioquia da Síria onde reúnem a Comunidade para partilhar e avaliar os resultados da viagem (14,26-28).

No ano 49: Assembléia de Jerusalém (At 15).

2ª viagem missionária: At 15,35-18,22-  Anos: 50-52
Equipe: Paulo e Barnabé se desentendem;  Barnabé e João Marcos vão para Chipre e Paulo escolhe Silas como companheiro missionário (15,36-40).
Itinerário:
– Saem de Antioquia da Síria e percorrem Síria e Cilícia confirmando as Comunidades organizadas na 1ª viagem (At 15,41).
– Passam por Derbe e Listra, e levam consigo Timóteo (16,1-5).
– Seguiram à Frígia-Galácia (16,6)   –   Mísia-Trôade (16,7-8)   –   Macedônia (16:9-10)
– Chegam a Filipos: a Comunidade se forma a partir de um grupo de mulheres (At 16,11-15).
– Beréia: conflito com os judeus (17,10-13).
– Atenas: Onde prega no altardo “deus desconhecido.”
– Corinto, encontra-se com o casal Priscila e Áquila e permanece por lá durante 18 meses, trabalhando e evangelização (18,1-18).
– De Corinto vai para Éfeso, Cesaréia, vai à Jerusalém na “Igreja”,e, depois volta para Antioquia da Síria (18,22).

3ª viagem missionáriaAt 18,23-21,16-  53-57dC
Equipe: Paulo, Timóteo e outros vão se juntando: Erasto, Sópatro, Aristarco, Segundo, Gaio…
Itinerário:
– De Antioquia da Síria percorrem a Galácia e a Frígia, confirmando as Comunidades (18,23).
– Em Éfeso, três discípulos missionários: Apolo, Priscila e Áquila. Apolo é instruído pelo casal e viaja para Acaia (At 18,24-28).
– Paulo chega a Éfeso, onde fica três anos: encontra os seguidores de João Batista (!9,1-7).
– Paulo decide voltar a Jerusalém, passando por Macedônia e Acaia. Envia à sua frente Timóteo e Erasto (19,21-22).
-Segue para Macedônia e anima os discípulos (20,1-6).
– A equipe viaja até Trôade onde Paulo ressuscita um jovem (20,7-12).
– Vai p/Mileto e a viagem segue de navio até Tiro, na Síria: visita a Comunidade (21,1-6).
-Continua até Ptolomaida e Cesaréia:visita as Comunidades(21,7-14).
– Sobe até Jerusalém, onde é preso na praça do Templo (21-15-36).

Cerca de 60 dC : Julgamento de Paulo e viagem como prisioneiro para Roma, onde anuncia a Palavra com liberdade e ousadia (At 21,37-28,31)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s